RAPSÓDIAUSGANG 2012

RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado
RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado

Describe your image here

RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado
RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado

Describe your image here

RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado
RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado

RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado
RapsodiAusgang12 por Davilym Dourado

Describe your image here

1/12

RapsódiAusgang é a primeira montagem da Ausgang de Teatro, estreada em 2012 e encenada na casa de Claudia Simões e Zebba Dal Farra, na Pompeia.

Há uma crescente e notável desvalorização do espaço público, invadido pelo privado.

Basta olharmos o papel preponderante dos automóveis – espaços privados em movimento – na cidade, em relação aos pedestres: é preciso um esforço enorme para somente conseguir ordenar esta relação, ditada pelas máquinas e pela indústria, e garantida pela ação policial. As praças desaparecem, multiplicam-se as avenidas. Os rios são canalizados, e suas margens concretadas. A língua privatiza-se, domesticada por publicitários e ilhada nos discursos dos especialistas: jornalistas, médicos, economistas. No campo da cultura – do teatro e da música, em particular – é cada vez mais comum a decisão dos investimentos públicos ser tomada por empresas privadas. Nestes tempos de transferência do público para o privado, o oferecimento do privado para o público anima esta proposta teatral. A saída aponta para dentro de casa, para um coletivo singular, para pessoas na proximidade do acontecimento. Rapsódia Ausgang é um ato que deseja contribuir para o debate de valorização do espaço público.

Mas talvez seja também seu réquiem, seu canto fúnebre. 

 

Sabe-se que rapsódia é uma composição de fragmentos de textos e canções, ditos pelo rapsodo, aquele que cose os cantos.

A encenação rapsódica compõe, justapõe, funde e contamina textos, canções e aparições, sempre em busca de uma vocalidade poética, entendida como a voz – e o corpo – em performance, em ação, em relação.

Os rapsodos transitam e tensionam atores e personagens: cantam, dançam, dizem, em perspectiva polifônica.

A transformação da casa em teatro exigiu um mergulho nas memórias que impregnam fotografias, livros, sofás, refletores, cortinas, figurinos, discos, trilhas sonoras, vozes, lembranças, narrativas e canções.

Este intenso movimento de escuta espelha-se nas cenas e nas ações que impulsionam o itinerário da RapsódiAusgang e propiciam o compartilhar da memória.

Os cômodos da casa se transformam em espaços cênicos, marcados por antigas experiências teatrais com Flávio Império e Myrian Muniz, mestra do grupo.

A casa feita teatro pode, como consequência da proposta e do processo, se fazer espetáculo, pois ela mesma e seus habitantes transformam-se em cenografia e sujeitos do acontecimento teatral, seres que pendulam e vibram no espaço da pessoa, do ator e da personagem. Rapsódia Ausgang é um grito na tentativa de compreender e desmontar o embrutecimento que, intermitente, nos entorpece.

ELENCO: Maria Simões, Zebba Dal Farra, Aline Alves, Carlos Silva e Carolina Martins.